poesias

Porto Seguro

Tentamos por tantas vezes ser felizes

Procuramos por um alguém, caso exista, que nos compreenda

E nessa busca, nessa procura, sempre vimos a nós mesmos

Como se pudesse, o outro, nos refletir; eis a questão.


O amor, tão insistentemente definido, mas nunca explicado

Tão perseguido, quão maltratado, idealizado

Onde se esconde, onde se encontra, senão em nós mesmos

Se tentamos preencher vazios, nos enchemos de dúvidas.


Queria essa paz, contigo, tranqüilo e feliz

Compartilhar, dividir os momentos, somar sempre

E me perder em seus sonhos e planos.


Ter um porto, um ancoradouro, um ponto de partida

Ter-lhe inteira, ou aos pedaços, entregue e amiga

E me encontrar no seu corpo, de onde parto, o meu porto.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.