poesias

Até o fim

Ainda que eu tente, mais uma vez, nem assim conseguiria

Dizer o quanto te quero

Sentir-me bastante e suficiente

Estar presente o quanto bastasse

Fazer-me compreender sempre

Saciar todas as fomes

Compreender a humanidade

Utopia ou realidade?


Vencer sem mágoas

Perder sem culpas

Amar sem sofrer

Libertar sem rédeas

Viver eternamente.


O meu amor queria ser assim

Tranqüilo como um rio escorrendo pelas pedras

Sem dor, sem rancor, ou cobranças, mas lembranças…

Um só corpo, um só copo e mil bocas,

Todas elas apaixonadas por você.

Ainda que eu tente, vou conseguir.

2 Comentários

  • Cecilia

    Ola,meu querido,aqui estou…e digo sim ao seu poema ,quisera pudessemos amar sem utopia,que os rios dos enamorados desaguassem em um só mar,que todas as palavras ditas não se perdessem no vento,que cada gesto se tornasse eterno,enfim que tudo nesta vida resnacesse na forma inexata do amor.
    Bjos
    Cecilia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.