crônicas

Tributo à Socorro

Sempre achei que me saia melhor escrevendo do que falando, mesmo porque, hoje, me faltam as palavras. Em novembro de 1978, vésperas de completar 19 anos de vida, conheci a Socorro. Foi admiração à primeira vista.

Esposa dedicada, mãe extremada, cozinheira de mão cheia, cunhada, amiga, confidente, conselheira e dona de uma gargalhada inconfundível, que nos fazia mais felizes, mesmo que não houvessem razões para sorrir. Assim ela era, é e sempre será: a imagem que guardarei, para sempre, no meu olhar.

Eu não consigo chorar, mesmo com os olhos cheios de lágrimas e o nariz que insiste em escorrer meu sentimento contido. Não sei mais a quem pedir Socorro, porque ela não está mais aqui.

Depois que seu Gomes partiu, com todo o respeito, eu a chamava de “minha namorada”. Não era um amor carnal, porque o nosso amor transcendia a definição da palavra AMOR. Era um amor puro, idílico, tenro e delicado. Eu me sentia preenchido com o seu abraço, todas as vezes que nos víamos, e quando ela dizia, sorrindo, “Ah, Herval” e, ato contínuo, soltava um enorme gargalhada, que inundava a sala, cozinha e toda a casa. Eu ria junto a ela e todos riam em volta de nós.

Agora, finalmente, consigo chorar.

Obrigado, Socorro, descanse em paz, minha amiga, cunhada e eterna “namorada”

Socorro é a primeira, da esquerda para a direita…

Do seu amigo,

“Ah, Herval”.

Um comentário

  • JOAO PEDRO QUEIROZ CANDIDO DE SOUZA

    Muito obrigado por expressar lindas palavras, pai. A tia Socorro com certeza está feliz com o amor que o senhor sente por ela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.